Relógio de ponto nas micro e pequenas empresas


Relógio de ponto nas micro e pequenas empresas

Desde a publicação da portaria 1510 do Ministério do Trabalho e Emprego, muitas micro e pequenas empresas têm reclamado da nova regulamentação. Os pequenos empresários alegam que o custo da troca do equipamento será muito alto e alguns estão pensando em voltar para os sistemas antigos, manual ou mecânico.
Mas a grande vantagem do relógio de ponto é a automatização do tratamento das informações da jornada de trabalho dos funcionários. Para um micro e pequena empresa, o sistema pode ser bastante útil, já que com a automação dos dados, a necessidade de uma pessoa exclusiva para gerenciar o horário de entrada e saída dos colaboradores e a folha de pagamento torna-se desnecessário.
 
No sistema manual, a geração da folha de pagamentos pode demorar dias, dependendo do número de funcionários. Com o sistema eletrônico esse tempo pode diminuir para algumas poucas horas. “Os relógios de ponto eletrônico têm especial valia em pequenas empresas, pois as funcionalidades do equipamento auxiliam muito o pequeno empresário em suas atividades gerenciais cotidianas”, explica Rodrigo Pimenta, vice-presidente da Madis Rodbel.
 
A portaria 1510 não alterou a determinação da CLT que fala que empresas que possuem até 10 empregados, estão desobrigadas de utilizar qualquer sistema de ponto. As empresas que possuem mais de 10 empregados podem utilizar um dos dois outros sistemas permitidos: manual ou mecânico. Assim, a utilização do sistema eletrônico é opcional. Mas as empresas que já possuem relógios eletrônicos terão que alterar os seus equipamentos. “A Madis está aceitando os equipamentos antigos como desconto nos equipamentos novos e acredita que em curto prazo o investimento feito no relógio de ponto irá valer a pena” finaliza Pimenta.

Para mais informações acesse: http://www.rodbel.com.br/?t=empresa&m=noticias#